Mais do que cenário, arte rouba a cena na minissérie ‘Felizes para Sempre?’

Por SILAS MARTÍ
felizes2
Sala da casa do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, com obras de Sol LeWitt e Alex Flemming

À primeira vista, “Felizes para Sempre?”, minissérie de Fernando Meirelles no ar agora na Globo e que já critiquei aqui, seduz com imagens estonteantes de Brasília, a maior parte delas filmadas com drones que sobrevoam a cidade como olhos livres e desimpedidos.

Mas outra dimensão da série também tem um impacto visual singular. Estou falando da mansão do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira, que serve de cenário para a casa do empreiteiro Cláudio e sua mulher Marília, personagens de Enrique Diaz e Maria Fernanda Cândido, a clínica de Tânia, vivida por Adriana Esteves, além da sede da construtora do personagem de Diaz.

Na casa, que hoje pertence à massa falida do Banco Santos, ainda está um conjunto de 800 obras de arte avaliadas em cerca de R$ 30 milhões, entre elas peças de nomes centrais da arte mundial, como Robert Rauschenberg, Sol LeWitt e Frank Stella, além de obras de brasileiros como Cícero Dias, Alfredo Volpi, Vik Muniz, Nelson Leirner, entre outros.

felizes
Fachada da casa desenhada por Ruy Ohtake que pertencia ao banqueiro Edemar Cid Ferreira

Desenhada pelo arquiteto Ruy Ohtake, a propriedade do bairro do Morumbi, na zona oeste paulistana, é avaliada em R$ 80 milhões e está lacrada à espera de uma decisão judicial final sobre o patrimônio de Cid Ferreira, condenado em primeira instância por crimes financeiros.

Veja a seguir cenas em que algumas dessas obras de arte sublinham momentos dramáticos da série.

X