Maria Thereza Alves planta sementes no meio do furacão da Art Dubai

Por SILAS MARTÍ
Instalação de Maria Thereza Alves para a Art Dubai
Instalação de Maria Thereza Alves para a Art Dubai

Maria Thereza Alves, artista brasileira que é um destaques da programação da feira Art Dubai, está acostumada a analisar terrenos para buscar nas sementes encontradas ali evidências das camadas de trânsito que já teve determinado território. Em Dubai, ela tentou fazer a mesma coisa, até descobrir que não existe terra por aqui, só areia, e essa areia não fica no lugar.

Foi então que pensou em sua obra para a feira, buscando espécies de plantas que crescem na região, desde o porto de Dubai a oásis no deserto perto da cidade. Num galpão do novo distrito de galerias Alserkal Avenue, aqui em Dubai, a artista plantou várias dessas mudas, reconstruindo uma flora tão múltipla quanto os habitantes da metrópole árabe. Leia a seguir uma entrevista com a artista.

Você já fez instalações semelhantes a essa. Como costuma ser seu processo de trabalho?

Pego um punhado de terra e deixo numa situação em que as sementes ali possam crescer. Vendo o que cresce, eu pesquiso todas as possibilidades daquelas sementes terem chegado ali, que caminhos fizeram e como teriam entrado naquele território, além das histórias de quem trouxe essas sementes.

Como foi realizar esse trabalho em Dubai?

Descobri que aqui não tem terra, só tem areia. E, por causa do vento, essa areia está sempre mudando de lugar. Então comecei a pesquisar as histórias de pessoas que vieram para cá, em especial os trabalhadores.

A pesquisa então acabou revelando algo sobre o vento na cidade?

Sim. O vento em Dubai sopra do leste, vindo do Irã, do Afeganistão e do Paquistão. É uma corrente que depois vai para o norte da África e viaja até chegar à Amazônia. Descobri que 27 toneladas de poeira do Chade, por exemplo, acaba se depositando todos os anos na bacia amazônica, levando nitratos essenciais para as plantas de lá. É por causa dessa diferença química que em alguns lugares crescem plantas que não cresceriam em outros.

Isso deslocou o foco do trabalho?

Entendi que é o vento que é interessante aqui. É um vento muito intenso.