Dubai cria novo distrito de galerias

Por SILAS MARTÍ
Instalação numa das ruas do distrito Alserkal Avenue, em Dubai
Instalação numa das ruas do distrito Alserkal Avenue, em Dubai

Em Dubai, é comum a sensação de estar num set de filmagem. Coisas parecem brotar do nada onde antes só existiam dunas e a grande muralha de arranha-céus espelhados que plasmaram a imagem dessa cidade no mundo esconde um deserto infinito logo atrás dela. Nesse cenário que fica entre o fajuto e poderes construtivos movidos a Viagra, surge um novo distrito de galerias de arte na metrópole dos Emirados Árabes Unidos.

Um café no distrito de Alserkal Avenue, em Dubai
Um café no distrito de Alserkal Avenue, em Dubai

Fundado por um empresário local no antigo bairro industrial de Al Quoz, a Alserkal Avenue é menos uma avenida e mais um aglomerado de galpões que hoje abrigam 20 galerias, entre elas uma filial da síria Ayyam, uma potência no mundo árabe, e outras casas poderosas de Dubai, como Green Art, Isabelle van den Eynde, Lawrie Shabibi e Carbon 12. Em breve, o distrito, que agora acaba de anunciar uma expansão, deve chegar a 50 galerias, entre elas uma nova sede da Third Line, maior casa dos Emirados Árabes Unidos, e o primeiro entreposto da nova-iorquina Leila Heller fora dos Estados Unidos.

Instalação da artista saudita Mehreen Murtaza, no distrito de Alserkal Avenue, em Dubai
Instalação da artista saudita Mehreen Murtaza, no distrito de Alserkal Avenue, em Dubai

Embora os planos sejam ambiciosos, a sensação de andar por ali ainda é a mesma que domina quase todo o resto de Dubai, como se não houvesse nada depois de dobrar a esquina. No caso, há galpões e mais galpões, todos vazios. Por enquanto, alguns deles abrigam instalações site-specific realizadas para a feira Art Dubai, entre elas uma obra da brasileira Maria Thereza Alves e um ambicioso trabalho da saudita Mehreen Murtaza.

Detalhe de instalação da artista brasileira Maria Thereza Alves, no distrito de Alserkal Avenue, em Dubai
Detalhe de instalação da artista brasileira Maria Thereza Alves, no distrito de Alserkal Avenue, em Dubai

Transformando velhos galpões industriais em espaços gentrificados para a arte, o distrito de Alserkal Avenue tem clara inspiração em bairros como o Chelsea, em Nova York, ou Shoreditch, em Londres. São Paulo ensaiou algo parecido na Barra Funda, mas pouco vingou por ali, com casas como a Transversal deixando de existir e a Baró agora planejando aos poucos uma mudança para os Jardins. Mas em Dubai, Alserkal Avenue ainda exige certo esforço de abstração para ganhar o contorno vibrante que seus donos tentam vender. Em todo caso, vale um passeio para conhecer alguns dos espaços gigantescos ocupados por essas galerias, todas crescendo no ritmo de Dubai.