Futuro Paço das Artes recebe antes mostra com obras de antigos internos do hospital do Juquery

Por SILAS MARTÍ

Enquanto não recebe a nova sede do Paço das Artes, o Museu de Saúde Pública Emílio Ribas, no Bom Retiro, entra em agosto para o circuito da arte contemporânea da cidade com uma mostra de obras dos internos do Hospital Psiquiátrico do Juquery.

plastico_rafael

Ricardo Resende, que está à frente do projeto, levará peças de José Otaviano Rafael, Maria Aparecida Dias e Ubirajara Ferreira Braga ao espaço, além de convidar artistas para realizar intervenções usando o arquivo do hospital. “Isso vai trazer luz ao museu.”

plastico_muitos

Indispensáveis Numa das exposições mais aguardadas do ano, o Instituto Tomie Ohtake mostra em setembro uma seleção de obras da coleção de José Olympio Pereira, uma das maiores do país.

Na lista de obras escolhidas pelo americano Robert Storr, já estão confirmadas peças de Adriana Varejão, Alfredo Volpi, Anna Maria Maiolino, Carlito Carvalhosa, Daniel Senise, Daniel Steegmann Mangrané, Eduardo Berliner, Jac Leirner, Leonilson, Luiz Braga, Marina Rheingantz, Mira Schendel, Paulo Bruscky, Paulo Monteiro, Rivane Neuenschwander, Tunga e Waltercio Caldas.

Storr, um dos maiores críticos do mundo, quer construir uma visão da arte brasileira dos últimos anos a partir da coleção.

plastico_in

In Between A obra “Quebra da Moldura”, de Lygia Clark, inspira mostra que a galeria Bergamin & Gomide abre em 31 de agosto com peças de artistas como Cildo Meireles e Marcius Galan.

Pato Mesmo com o esforço da Fiesp em desvincular sua galeria de arte de sua posição política favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, e-mails de funcionários da instituição, que recebe nesta semana o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, ainda trazem na assinatura o famoso pato, símbolo da campanha contra a administração petista.

Troca-troca Em cartaz no Sesc Belenzinho, a mostra “Potlatch” abriu vazia e aos poucos vai recebendo obras de artistas e amadores em troca de uma conversa com o curador Paulo Miyada. Entre os objetos já doados, estão cartões-postais feitos por crianças de Mianmar e uma escultura de água e sal.