Mais 21 obras da casa de Edemar serão leiloadas em NY com expectativa de arrecadar R$ 9 milhões

Por SILAS MARTÍ

Depois de anunciar leilões em São Paulo com 719 obras que estavam na casa de Edemar Cid Ferreira, a massa falida do Banco Santos se movimenta agora no exterior para vender o que resta das peças.

Nos dias 18 e 22, na Sotheby’s, em Nova York, encaram o martelo mais 21 obras da mansão do ex-banqueiro, entre elas uma escultura de Niki de Saint Phalle com lance mínimo de R$ 1,6 milhão, uma tela de Robert Rauschenberg de R$ 1,1 milhão, um Anselm Kiefer de R$ 960 mil, uma escultura de Antony Gormley e outra de Frank Stella desse mesmo valor e um Volpi de R$ 800 mil —embora, nas contas da massa falida, esta última valha no mínimo R$ 1,3 milhão.

plastico_ferreira3

Enquanto os leilões paulistanos, em 22 e 29 de novembro, devem arrecadar ao menos R$ 10 milhões, a expectativa é que a venda em Nova York possa render, por baixo, R$ 8,8 milhões —a massa falida, que administra um rombo de R$ 3,2 bilhões deixado pelo banco, já recuperou R$ 56 milhões só com a venda de obras de arte.

Em tempo, as peças de Cid Ferreira sob a guarda do MAC foram avaliadas em R$ 6,1 milhões e estão na mira. Elas podem ser retiradas do museu e leiloadas já no início de 2017.

Mais uma bienal Um pavilhão na próxima Bienal de Veneza será uma espécie de prelúdio a mais uma mostra nos mesmos moldes. A Bienalsur, depois dessa estreia italiana, ocupará uma série de espaços em Buenos Aires, Santiago, Assunção, Medellín, Bogotá, Lima, São Paulo, Madri, Lagos, Caracas e Genebra a partir de setembro do ano que vem —a ideia é unir artistas do chamado sul global e cidades afins.

Entre os nomes já escalados, estão o francês Christian Boltanski, os brasileiros Anna Bella Geiger e Cildo Meireles, o colombiano Oscar Muñoz, a chilena Voluspa Jarpa e o argentino Guillermo Kuitca. Tadeu Chiarelli é um dos organizadores.

plastico_catunda

 

Leda Catunda Um dos nomes mais fortes da geração 80, marcada por um retorno à pintura, Leda Catunda abre mostra com obras feitas na última década em 10 de novembro, no Tomie Ohtake.