Herdeiros de Hélio Oiticica querem vetar venda e exibição de obra dele com cineasta Júlio Bressane

Por SILAS MARTÍ

Herdeiros de Hélio Oiticica ameaçam processar o cineasta Júlio Bressane caso ele tente vender ou exibir uma instalação do artista reconstruída com a autorização da família.

“Tenda Luz”, de 1978, é considerado o último trabalho de Oiticica. A estrutura foi montada para o filme “Gigante da América”, de Bressane. Ele conta que o artista esteve no set construindo a peça que depois seria queimada em cena.

No ano passado, o cineasta, que afirma ter o desenho original da obra, pediu o aval da família para reconstruir a instalação, então refeita.

Mas a família se irritou quando Bressane, segundo César Oiticica Filho, sobrinho do artista, teria tentado vender a obra na feira ArtRio. Havia conversas de levar a peça ao Pompidou, em Paris, e ela também seria mostrada em setembro na abertura da galeria do estilista Oskar Metsavaht, ainda em construção no Rio.

Oiticica Filho diz que a venda da obra viola um acordo de Bressane com a família. “Ele quer avançar sobre os direitos autorais e vai ser processado”, afirma. O cineasta diz desconhecer tal acordo e critica a visão “argentária” da família.

Carne fraca Fábio Magalhães mostra suas pinturas hiperrealistas realizadas ao longo da última década em retrospectiva a partir do dia 29, na Caixa Cultural, em São Paulo.

Hispânica Alvo de uma mostra em sua homenagem que começa nesta semana no Itaú Cultural, Aracy Amaral terá seu livro “A Hispanidade em São Paulo” relançado. Esgotada, a obra de 1981 deve voltar às livrarias até o fim deste ano.

Protesto Ativistas negros que foram ao festival Verbo, na galeria Vermelho, oferecer abraços aos outros —poucos— negros que por ali circulavam foram convidados a refazer a ação no Instituto Tomie Ohtake.

Desjejum Antonio Manuel, que representou o Brasil na Bienal de Veneza há dois anos, abre em agosto uma mostra na galeria Cassia Bomeny, no Rio. Ele não fazia uma exposição em galeria há mais de uma década.

Siron Franco Uma retrospectiva do artista ocupa a partir do dia 22 uma das galerias da Biblioteca Mário de Andrade. Estará lá sua famosa série inspirada num vazamento de material radioativo, que ocorreu há 30 anos em Goiânia.